Mais Sozinhos

Inicialmente a pandemia iludiu quem, entristecido com a sociedade que integra, acreditou que a natureza finalmente abrandava à força a ambição raça humana.

Os meses coxeiam sem novidades entusiasmantes. O ambiente definha como antes. Ou pior! Os plásticos descartáveis imperam no comércio, o transporte colectivo é evitado…

O mundo é um lugar mais pobre sem as vidas que se perderam, perdem e perderão.

Na sociedade está semeada, entre amigos, a intolerância crescente. Encontramos, em quem nos é próximo, a raiz do problema. A troca de argumentos, que nem sempre é racional, é inútil. Poucos nos conseguimos expressar com certezas.

Todos os problemas anteriores do universo continuam presentes e nós estamos mais sozinhos. A distância entre as pessoas já não é apenas física.